Não existe começo de Pneumonia

Bom, essa é a verdade, nua e crua. Uma pneumonia diagnosticada é sempre uma pneumonia e ponto. Vamos entender então sobre isso.

Pneumonia é uma infecção dos pulmões que causa tosse, febre, e dificuldade respiratória.

É uma doença grave, especialmente em crianças pequenos. Uma pneumonia pode ser causada por vírus ou bactérias, e a causa depende desde a idade da criança até seu estado imunológico.

Os sintomas são:

  • Tosse
  • Febre
  • Respiração mais rápida que o normal
  • Dificuldade para respirar ou dor inspiratório
  • Cansaço
  • Dificuldade na amamentação

Nem todas as crianças com pneumonia tem os mesmos sintomas. Se seu filho ou filha aparentam estar doentes e têm tosse e febre, há necessidade de avaliação médica.

Se um médico considerar que uma criança pode ter pneumonia ele irá realizar a ausculta pulmonar da criança e, apenas se necessário, solicitar uma radiografia de tórax, o famoso e querido raio-x.

O tratamento depende da idade da criança, gravidade da doença, e se a causa é bacteriana ou viral. Ou seja, mesmo sendo uma doença grave, nem toda pneumonia precisa de antibióticos para ser tratada.

A maioria das crianças que são tratadas rapidamente podem apresentar melhora em 2 a 3 dias, mas mesmo assim a tosse e cansaço podem persistir por mais tempo.

O julgamento da necessidade de uma internação é realizada pelo médico e, se a mesma ocorrer, haverá necessidade de uso de medicações injetáveis.

Quando o tratamento da pneumonia for realizado em casa tente deixar a criança o mais confortável possível, em repouso e com oferta grande de líquidos.

Você pode fazer uso de medicamentos sintomáticos como antitérmicos desde que seja indicados pelo seu médico.

Não faça uso de medicações que param a tosse, a maioria não funciona de maneira correta e podem ter efeitos colaterais graves em crianças.

De toda maneira, pneumonia é pneumonia, seu diagnóstico é importante e o tratamento deve ser realizado à risca como indicado pelo seu médico.

Dr. Thiago Olivetti Artioli CRM-SP 163850

Infecção Urinária

O trato urinário é o sistema de órgaos que produz, armazena e transporta a urina para fora do corpo.

Os órgãos do trato urinário são:

  • Rins: filtram o sangue e produzem a urina.
  • Ureteres: tubos finos que levam a urina dos rins até a bexiga.
  • Bexiga: armazena a urina.
  • Uretra: é o tubo que elimina a urina para fora do corpo.

A infecção do trato urinário é causada por bactérias. Normalmente a urina não tem presença de bactérias. Mas, se elas conseguirem se transportar para a bexiga ou para os rins, podem causar infecção do trato urinário.

Uma criança pode ter essa infecção se:

  • Seu sistema urinário não se formou corretamente antes de nascer
  • Sua bexiga não funciona de maneira correta
  • São meninos e não foram circuncidados

Os sintomas de uma infecção urinária dependem da habilidade da criança falar:

  • Dor ou queimação ao urinar
  • Necessidade de urinar mais do que o usual
  • Dor na parte da parte baixa da barriga
  • Febre

Existem exames para verificar se a criança está ou não com infecção do trato urinário. Para a coleta da urina a criança, se possível, deverá urinar em um potinho em ambiente médico para que a mesma possa ser analisada em laboratório.

Caso sua criança não tenha controle urinário, um médico ou uma enfermeira poderá coletar a urina por meio de um pequeno tubo, em um processo chamado sondagem.

O tratamento é realizado com antibióticos, que irão matar as bactérias.

Os sintomas de seu filho ou filha, podem apresentar melhora em 1 a 2 dias do uso da medicação. É importante que o antibiótico seja administrado exatamente como prescrito, ou a infecção pode retornar.

Procure um serviço médico se seu filho apresenta piora dos sintomas ou não haja possibilidade de administração do medicamento.

Se uma criança tem muitas infecções do trato urinário há necessidade de realizar exames para entender o que pode estar acontecendo com ela, e até mesmo ter de tomar antibióticos diariamente.

Uma infecção urinária não é tão simples quanto parece, não é?

Dr. Thiago Olivetti Artioli CRM-SP 163850

O bumbum e a fralda.

 

A dermatite de fralda é uma vermelhidão que aparece em qualquer região que é coberta pela fralda. Este é um problema extremamente comum, e pode ocorrer em qualquer bebê que faz uso de fraldas.

A maior parte das dermatites de fralda podem ser tratadas em casa e se resolvem após alguns dias.

As causas são:

  • Contato da pele com a urina e fezes, que podem irritar a pele. Isso se mostra especialmente após quadro de diarreias, período em que essas lesões de pele são mais comuns.
  • Perfumes ou cores presentes em um tipo de fralda que são alérgenos ao bebê.
  • Problemas de pele ou infecções que não são causadas pelas fraldas, as que aparecem na região coberta por elas.

Os sintomas desse tipo de problema são:

  • Vermelhidão, dor ou prurido.
  • Placas e descamação.
  • Bolhas.

E quando procurar o serviço médico para resolução desse tipo de problema?

Sempre que a vermelhidão não apresenta melhora espontânea em alguns dias, e quando há presença de diarreia e febre concomitantes. E claro, sempre que houver dúvidas.

O tratamento envolve alguns passos simples:

  • Retirada das fraldas para manter a pele em contato com o ar ambiente o máximo possível.
  • Checar a fralda do bebê pelo menos a cada 2 a 3 horas, e trocar se estiver suja.
  • Limpar a área coberta pela fralda de maneira gentil, utilizando água morna e material macio. Se a pele estiver avermelhada e descamativa, utilize uma vasilhame plástico, como um squeeze, o qual poderá jatear água morna para limpeza sem fricção.
  • Utilizar alguma pomada ou pasta após a troca das fraldas, em especial que contenha óxido de zinco.

Caso a área afeta apresente sinais de gravidade, como sangramento ou mau cheiro, há necessidade de buscar auxílio em algum serviço de saúde.

Para prevenir a dermatite na área das fraldas você pode:

  • Trocas as fraldas mais frequentemente.
  • Se houver necessidade de usar lenços umedecidos, utilizar algum sem perfume e sem álcool.
  • Leite materno exclusivo. Sim, até nisso o leite materno tem impacto. Crianças que fazem uso de derivados de leite de vaca apresentam colonização do intestino grosso por bactérias que determinam um pH mais alcalino, o que eleva os níveis de urease fecal, com maior facilidade de irritação da pele na região das fraldas.

E lembrando, nunca utilize pomadas anti-fúngicas ou anti-inflamatórias no seu bebê por conta própria, isso pode piorar o problema e causar outros mais graves.

Pomadas com óxido de zinco são apenas um método de proteção de barreira, e se seu uso juntamente com a higiene adequada de seu bebê não estão resolvendo o problema, procure um médico.

Dr. Thiago Olivetti Artioli CRM-SP 163850

 

 

Bebês com Refluxo

Refluxo, ou refluxo gastro-esofágico, é o que se chama quando o ácido que normalmente fica no estômago acaba subindo para o esôfago, que é o tubo que leva a comida da boca até o estômago.

Bebês saudáveis geralmente têm refluxo, e acabam cuspindo leite materno, ou fórmula, logo após as mamadas. Isso não machuca o bebê, e a maioria acaba não apresentando mais o quadro sem nenhum tipo de tratamento.  Todavia, algumas crianças podem ter problemas mais sérios e até apresentarem a doença do refluxo gastro-esofágico.

Alguns bebês têm um risco maior de apresentarem essa doença:

  • Bebês prematuros
  • Vivem em ambiente com fumantes
  • Bebês com síndrome de Down
  • Bebês com problemas cerebrais

Você pode perceber se seu filho, ou filha, tem esse tipo de problema se ele acaba cuspindo muito leite e também:

  • Tem recusa alimentar
  • Chora muito e arqueia o corpo como se estivesse com dor
  • Engasga frequentemente com o leite
  • Apresenta vômitos frequentes
  • Não tem ganho de peso adequado

Se você perceber que seu bebê apresenta esses problemas, procure o auxílio de um serviço médico que poderá avaliar a gravidade da situação.

Há algumas coisas que você pode fazer para melhorar o refluxo, tais como:

  • Manter o bebê em posição vertical após se alimentar, segurando-o nos braços por 20 a 30 minutos após se alimentar, ao invés de colocá-lo prontamente para deitar-se.
  • Colocar o bebê em um assento infantil não ajuda a controlar o refluxo e pode piorar o quadro.
  • Sempre coloque o bebê para dormir de barriga para cima, com ou sem refluxo!
  • Parar de fumar, que além de melhorar o refluxo, evitará inúmeros problemas relacionados ao tabagismo passivo.
  • Uma dieta sem leite de vaca e sem soja, pois alguns bebês têm problemas para digerir a proteína do leite de vaca, ou produtos derivados da soja. O pediatra pode solicitar a retirada desses alimentos da dieta da criança,  e inclusive da mãe, se esta estiver amamentando.

O tratamento do refluxo muitas vezes é desnecessário, e muitas vezes medicações não fazem o bebê se sentir melhor.

O médico pode, em casos especiais, indicar uso de fórmulas lácteas mais consistentes, que dificultem o refluxo gastro-esofágico, e até mesmo indicar uso de certas medicações.

Jamais faça uso de fórmulas lácteas por conta própria, não suspenda a amamentação e não use medicamentos sem indicação médica.

Tire suas dúvidas com seu pediatra, e tenha em mente que muitas vezes bebês agem de modo estranho, e isso pode não ser doença alguma, muito menos refluxo.

Dr. Thiago Olivetti Artioli CRM-SP 163.850

A Febre

O que é a febre? Por que temer esse sintoma de modo tão desesperador?

A febre é o aumento da temperatura corporal até um certo nível. O nível é determinado pelo modo que ela é aferida.

Ela é a resposta natural a uma grande gama de ocasiões, sendo a mais comum  uma infecção.

É possível aferir a temperatura pela boca, axilas, ouvidos, testa e reto. Cada local tem suas vantagens e desvantagens de uso.

De uma maneira geral, uma temperatura acima de 37,8ºC  obtida em casa, com termômetros facilmente encontrados em farmácias, já pode ser considerada febre, e necessita de maior atenção dos pais.

De todo modo, o valor da temperatura, seja 38ºC ou 40ºC,  é menos importante do que o quão doente seu filho, ou filha, aparenta estar. A febre é apenas um dado a mais, dentro de um todo que representa uma criança.

Então vamos lá, qual a melhor maneira de aferir a temperatura de uma criança em casa?

Utilizando uma termômetro axilar, o mais comum em nosso país, deixe-a calma, em um ambiente neutro, não muito coberta, aguarde de 3 a 4 minutos, caso use um termômetro de vidro, ou pelo sinal do termômetro digital. Anote o valor, para não se esquecer.

Uma temperatura elevada pode ser causada por um resfriado, uma gripe, infecção de vias aéreas, das vias urinárias ou intestinais. Ou seja, não é a febre que está causando o verdadeiro mal, mas sim o vírus ou bactéria que está atacando o organismo da criança.

Não existe embasamento científico suficiente para a crença de que o crescimento dos dentes cause febre.

Assim que a febre for notada, a criança deve ser levada a um serviço médico se:

  • Ela for menor de 3 meses, mesmo que pareça estar bem. E, se nenhum médico lhe indicou uso de qualquer antitérmico, não use.
  • A criança tiver  entre 3 meses e 3 anos, com aparência ruim, doente, com recusa de líquido, e temperatura crescente.

Crianças de qualquer idade devem ser levadas a um serviço médico se:

  • A temperatura aferida for de 40ºC
  • Convulsões acompanham a febre
  • Febre que são persistentes, mesmo com uso de antitérmicos
  • A criança tem alguma comorbidade, como problemas no coração, câncer, lupus, ou anemia falciforme e está com febre
  • Febres que cursam com manchas na pele

Para confortar uma criança com febre você pode oferecer água em abundância, sucos e chás. Manter a criança em um local calmo, encorajando-a a descansar. Compressas podem ser reconfortantes, assim como banhos mornos.

Nunca é uma boa ideia realizar compressas com álcool em uma criança. E jamais dê ácido acetilsalicílico (aspirina) para uma criança para combater a febre.

Ao levar a criança ao pediatria, este irá procurar a causa deste sintoma. Ele poderá solicitar exames de imagem e exames de sangue somente se o exame físico não esclarecer o foco de uma provável infecção.

Antibióticos não tratam febre, eles serão indicados apenas se a causa desta for uma infecção por bactérias, pois se os causadores forem os vírus, não haverá necessidade de seu uso também.

Remédios que combatem a febre como a dipirona, o paracetamol e o ibuprofeno podem ser indicados, mas não são sempre necessários. Uma criança acima de 3 meses, com temperatura elevada, mas menor que 38,9ºC e que aparenta estar saudável, agindo de modo normal não precisa de tratamento.

Toda dúvida deve ser tirada com seu médico, jamais dê remédios por conta própria.

Dr. Thiago Olivetti Artioli CRM-SP 163850

 

 

 

 

 

Sinusite atacada

Quantas vezes você já foi ao pediatra e disse que seu filho, ou filha, tem sinusite, e está com a mesma atacada? Afinal de contas o que é sinusite?

A sinusite é uma doença que causa congestão nasal, tosse, dor na face e coriza.

Os seios da face são áreas ocas nos ossos que compõem nossa face. Eles têm uma fina camada de de tecido que produz uma pequena quantidade de muco. Quando há uma infecção nessa região há um inchaço importante e muita produção de muco, o que acaba por causar vários sintomas.

A sinusite pode acontecer quando uma criança está gripada. Os germes que causam a gripe e o resfriado podem infectar os seios da face também, e muitas vezes a criança aparenta estar melhorando de um resfriado e logo após piora de seus sintomas.

Os sintomas, deste modo, são:

  • Tosse
  • Congestão nasal
  • Coriza
  • Febre
  • Dor de cabeça
  • Dor ou inchaço na face
  • Pigarro
  • Mau hálito

Os pais devem procurar serviço médico quando:

  • A criança apresenta congestão nasal, coriza ou sensação de nariz tampado por mais de dez dias
  • Temperatura aferida maior de 37,8ºC, com saída de secreção nasal amarelada ou esverdeada por 3 a 4 dias seguidos, com estado geral ruim
  • Piora progressiva de sintomas

Muitas vezes um quadro de sinusite pode levar a problemas sérios. Um serviço de pronto atendimento deve ser buscado se a criança apresentar:

  • Febre maior que 39ºC
  • Dor aguda e severa na face e na cabeça
  • Dificuldade para enxergar de maneira correta
  • Confusão mental
  • Inchaço ou vermelhidão ao redor dos olhos
  • Dificuldade para respirar

Após o diagnóstico realizado e o tratamento médico indicado, existem atitudes que podem ser tomadas para melhorar o estado de uma criança com sinusite.

Além do uso de medicamentos sintomáticos indicados pelo seu médico, o uso de inalações com soro fisiológico e limpeza nasal frequentes mostram-se eficazes no alivio dos sintomas.

O tratamento médico muitas vezes não precisa do uso de antibióticos, pois a maioria das sinusites tem causa viral.

Nos casos em que há necessidade do uso de antibióticos, faça o uso exatamente como prescrito pelo médico. Caso a criança não apresente melhora alguma após o  início do tratamento, converse com seu médico, pois às vezes há necessidade de troca do tipo de antibiótico.

Raramente são necessários exames de imagem para o diagnóstico de sinusite, mas se assim for, os exames de escolha são a tomografia e ate uma pequena câmera que pode e mostrar dentro dos seios da face.

Evite a sinusite com a higiene das mãos de suas crianças de maneira adequada e carteira vacinal em dia. Toda dúvida deve ser retirada com seu médico de confiança.

Dr. Thiago Olivetti Artioli CRM-SP 163.850

 

 

 

Que dor de ouvido!

Dores no ouvido são extremamente comuns no período do frio, em especial após um resfriado.

O que você não deve saber é que nem todas precisam ser tratadas com antibióticos.

Uma infecção no ouvido é um problema que pode causar dor, febre e dificuldades auditiva. Esse problema é muito comum em crianças.

Durante um resfriado há certa produção de fluido na parte média dos ouvidos e atrás dos tímpanos, e este pode acabar infectando e pressionar o tímpano, fazendo com que fique túrgido.

Em algumas crianças essa secreção pode permanecer por meses, mesmo após a dor e a infecção se resolverem, e isso pode ocasionar uma perda auditiva moderada e temporária.

Se essa perda auditiva for prolongada pode até mesmo ocasionar problemas de aprendizado e linguagem.

Os sintomas de uma infecção no ouvido são:

  • Febre
  • Sensação de aperto nos ouvidos
  • Tontura
  • Falta de apetite
  • Vômitos
  • Diminuição da acuidade auditiva

Se por alguma razão você acha que seu filho, ou filha, pode estar com uma infecção nos ouvidos, procure um serviço de saúde.

Temporariamente para aliviar a dor até a visita a um médico é possível utilizar medicações analgésicas, como o paracetamol, mas jamais ácido acetil salicílico, pois esta medicação pode gerar um problema extremamente grave chamada síndrome de Reye.

O tratamento de uma infecção no ouvido pode envolver o uso de antibióticos, que irão matar as bactérias que podem estar causando o problema.

Muitas vezes, no entanto, o médico pode julgar não ser necessário o uso desse tipo de medicamento. Isso acontece porque muitas infecções dos ouvidos são causadas por vírus, e não bactérias, e antibióticos não matam vírus. Além disso, muitas dessas infecções se resolvem sozinhas.

Geralmente os pediatras prescrevem antibióticos para crianças menores de 2 anos de idade, e para as mais velhas podem decidir apenas aguardar e tratar com sintomáticos.

E não, colocar óleo quente no ouvido, como alguns ditos populares indicam, não resolve o problema, podendo piorar a situação e lesar o tímpano e o conduto auditivo irreversivelmente.

A necessidade de procurar um serviço médico se dá quando:

  • Após 1 a 2 dias de sintomas a dor e a febre não melhoram de maneira alguma
  • Após 2 dias de antibióticos não houve melhora ou até mesmo houve piora

Os pais devem conversar com seu médico de confiança sobre a possibilidade de problemas de aprendizado e linguagem em crianças com infecções de ouvido menores de 2 anos de idade.

Caso a secreção no ouvido esteja causando perda auditiva e não melhore após vários meses, o médico pode sugerir um tratamento que ajudará a drenar esse fluido. Isto envolve a colocação de um tubinho através do tímpano.

Se sua criança tem muitas infecções de ouvido,  pergunte a seu médico sobre o que você pode fazer para prevení-las.

A carteira vacinal em dia é o primeiro passo para a prevenção desse tipo de infecção.

Dr. Thiago Olivetti Artioli CRM-SP 163.850