O que é Virose?

Mas então o que é essa tal virose? 🤔

Virose é o nome popular para infecções virais que englobam inúmeros tipos de vírus. Estes são organismos microscópicos que podem causar diversas doenças no ser humano, algumas podendo ser graves, porém a enorme maioria é benigna e autolimitada.

Dentro das doenças causadas por vírus , podemos ter desde quadros graves agudos como Dengue e Chikungunya, doenças crônicas como o HIV/AIDS, passando por quadros mais brandos como Diarreias e Resfriados comuns.

As crianças são muito mais suscetíveis a serem contaminadas por vírus, pois além de terem menor discernimento, levando quase tudo a boca, terem contato próximo entre os coleguinhas e não possuírem as noções corretas de higiene, ainda não apresentam a imunidade de um adulto. Esta é a razão de na maioria das vezes que seu filho é levado a um médico com quadro de febre, ele leva o diagnóstico de “só uma virose”.

Os quadros comuns não possuem tratamento específico e não precisam do diagnóstico de qual vírus está causando a infecção, pois, como dito, são autolimitados, ou seja , ele tem um ciclo de vida determinado até o momento onde o próprio sistema imunológico (defesa do nosso corpo) irá combatê-lo. Por isso não precisam de antibióticos.

Estes casos são tratados com sintomáticos apenas, como:

  • antitérmicos e analgésicos
  • antiemeticos
  • higiene nasal e inalação com soro
  • hidratação
  • e, o principal, carinho e paciência .

Apesar disso,  qualquer quadro viral pode complicar com infecções bacterianas secundárias, tais como otites, sinusites, pneumonia, ou desencadear crises de doenças crônicas, como asma.

Sendo assim, para evitar maiores preocupações e idas desnecessárias ao pronto socorro, seguem as orientações gerais de como lidar com a famosa virose.

As Viroses comuns e benignas podem apresentar os seguintes sintomas, apenas um, ou até todos juntos:

  • Febre
  • Adinamia
  • Falta de apetite
  • Irritabilidade
  • Dor de cabeça
  • Dor no corpo
  • Tosse
  • Secreção nasal ou coriza (que se inicia clara e pode ficar amarelada ou verde após alguns dias, o que não significa se tratar de uma sinusite…)
  • Dor e irritação na garganta e nos ouvidos
  • Vômitos
  • Diarreia
  • Manchas avermelhadas pelo corpo.

O quadro se inicia com o que chamamos de pródromo, que são os primeiros sintomas (febre, adinamia, falta de apetite, irritabilidade dor de cabeça e dor no corpo). Após algum tempo, os outros sintomas podem se manifestar, ou às vezes não, pois o sistema imunológico pode agir antes disso acontecer.

Em geral a doença só piora nos primeiros dias, e irá melhorar espontaneamente ap´øs o ciclo do vírus terminar e o próprio corpo combater a infecção, o que pode levar de 7 a 14 dias.

Retorne ou procure atendimento médico se houver algum desses sintomas:

  • Febre: se persistir por mais de 72 horas ou estiver aumentando em valor e/ ou frequência.
  • Respiração mais rápida que o normal
  • Cansaço
  • Irritabilidade importante
  • Dor intensa que não melhora com analgésicos, mesmo sem febre
  • Vômitos que não melhoram ou quando a criança não aceita nenhum líquido ou aliemnto
  • A criança fica sem urinar por mais de 6 horas, olhos fundos, choro sem lágrimas, boca e língua secas,
  • Fezes com sangue ou muco
  • Manchas no corpo

Ou, claro, a qualquer momento onde haja dúvida no quadro da criança.

Dr. Leandro D. Buck CRM-SP 135.807

Bebês com Refluxo

Refluxo, ou refluxo gastro-esofágico, é o que se chama quando o ácido que normalmente fica no estômago acaba subindo para o esôfago, que é o tubo que leva a comida da boca até o estômago.

Bebês saudáveis geralmente têm refluxo, e acabam cuspindo leite materno, ou fórmula, logo após as mamadas. Isso não machuca o bebê, e a maioria acaba não apresentando mais o quadro sem nenhum tipo de tratamento.  Todavia, algumas crianças podem ter problemas mais sérios e até apresentarem a doença do refluxo gastro-esofágico.

Alguns bebês têm um risco maior de apresentarem essa doença:

  • Bebês prematuros
  • Vivem em ambiente com fumantes
  • Bebês com síndrome de Down
  • Bebês com problemas cerebrais

Você pode perceber se seu filho, ou filha, tem esse tipo de problema se ele acaba cuspindo muito leite e também:

  • Tem recusa alimentar
  • Chora muito e arqueia o corpo como se estivesse com dor
  • Engasga frequentemente com o leite
  • Apresenta vômitos frequentes
  • Não tem ganho de peso adequado

Se você perceber que seu bebê apresenta esses problemas, procure o auxílio de um serviço médico que poderá avaliar a gravidade da situação.

Há algumas coisas que você pode fazer para melhorar o refluxo, tais como:

  • Manter o bebê em posição vertical após se alimentar, segurando-o nos braços por 20 a 30 minutos após se alimentar, ao invés de colocá-lo prontamente para deitar-se.
  • Colocar o bebê em um assento infantil não ajuda a controlar o refluxo e pode piorar o quadro.
  • Sempre coloque o bebê para dormir de barriga para cima, com ou sem refluxo!
  • Parar de fumar, que além de melhorar o refluxo, evitará inúmeros problemas relacionados ao tabagismo passivo.
  • Uma dieta sem leite de vaca e sem soja, pois alguns bebês têm problemas para digerir a proteína do leite de vaca, ou produtos derivados da soja. O pediatra pode solicitar a retirada desses alimentos da dieta da criança,  e inclusive da mãe, se esta estiver amamentando.

O tratamento do refluxo muitas vezes é desnecessário, e muitas vezes medicações não fazem o bebê se sentir melhor.

O médico pode, em casos especiais, indicar uso de fórmulas lácteas mais consistentes, que dificultem o refluxo gastro-esofágico, e até mesmo indicar uso de certas medicações.

Jamais faça uso de fórmulas lácteas por conta própria, não suspenda a amamentação e não use medicamentos sem indicação médica.

Tire suas dúvidas com seu pediatra, e tenha em mente que muitas vezes bebês agem de modo estranho, e isso pode não ser doença alguma, muito menos refluxo.

Dr. Thiago Olivetti Artioli CRM-SP 163.850

Não vai passar xarope, doutor?

Xaropes que combatem a tosse não são recomendados, em especial no tratamento de infecções de via aérea superior. A justificativa é simples: a tosse auxilia na limpeza das secreções do trato respiratório, e suprimi-la pode resultar na retenção de muco e aumentar o risco de obstrução das vias aéreas.

É indiscutível que durante momentos de crise de tosse pode haver piora do sono da criança, do rendimento escolar, e ainda de suas habilidades para brincar. Então o que há para fazer para ajudar a criança com tosse?

A hidratação adequada é o primeiro passo, uma criança desidratada sofre mais com a tosse.

Oferecer sopas também pode auxiliar, em especial a canja, um prato que por si só pode oferecer tudo o que um indivíduo precisa para combater um resfriado, desde líquido, carboidratos presentes no arroz, até as proteínas da carne de frango.

E finalmente, o mel. O uso está indicado para crianças maiores que 1 ano, frente ao risco de botulismo, e pode ser oferecido na quantidade de 2,5 a 5,0ml para melhorar a crise de tosse durante um quadro de resfriado, sendo indicado pela Organização Mundial de Saúde e Academia Americana de Pediatria.

O mel foi o foco de alguns estudos científicos para avaliar sua eficácia e os resultados demonstraram uma melhora na freqüência da tosse, gravidade e irritabilidade das crianças que fizeram seu uso. Além disso, há uma revisão sobre o uso do mel para tosse, realizada em 2014 pelo renomadíssimo grupo Cochrane apontando benefícios de seu uso. Essa revisão pode ser acessada em inglês aqui.

Resumindo, as vovós tinham razão: melhor do que qualquer xarope, tomar água, uma sopa quente, e um pouco de mel podem melhorar a noite de uma criança resfriada e com tosse.

Dr. Thiago Olivetti Artioli CRM-SP 163850